Seguidores

já é a ultima hora

já é a ultima hora
prepara-te

As imagens, com crianças mortas e outras lutando pela vida, são chocantes

O número de crianças forçadas a abandonar a Síria chegou nesta sexta-feira a um milhão,
o que representa metade do total de refugiados do conflito sírio. Mais dois milhões de
jovens menores de idade continuam no país, a serem atacados ou recrutados como combatentes,
alertaram nesta sexta-feira a UNICEF e o Alto Comissariado da ONU para os Refugiados.

"Esta milionésima criança refugiada não é apenas mais um número”, declarou o director
executivo do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), Anthony Lake.
"Trata-se de uma criança com nome e com rosto, que foi arrancada da sua casa,
talvez até de uma família, enfrentando horrores difíceis de imaginar", reforçou.

A imagem folheto lançado pela Shaam News Network da oposição síria mostra corpos de crianças
e adultos que colocam no chão, como rebeldes sírios afirmam que eles foram mortos em um ataque
com gás tóxico por forças pró-governo no leste Ghouta, nos arredores de Damasco, em 21 de agosto ,
2013. A alegação de armas químicas sendo utilizadas nas áreas densamente povoadas veio no segundo
dia de uma missão à Síria por inspectores da ONU. Ele foi prontamente negado pelas autoridades sírias.






SÃO SINAIS DA ULTIMA HORA





O tufão Haiyan deixou ao menos 10 mil mortos e 2 mil desaparecidos em sua passagem pelas Filipinas

TUFÃO - Sabe o que é esta imagem? É o tufão Haiyan um pouco antes de chegar na Filipinas no final desta semana.                                                                      O tufão Haiyan deixou ao menos 10 mil mortos e 2 mil desaparecidos em sua passagem pelas Filipinas, segundo estimativas divulgadas por autoridades locais neste domingo (10), o que o tornaria o desastre natural mais mortífero já registrado no país.
Casas destruídas, postes elétricos derrubados, carros virados e sobreviventes atordoados percorrendo as ruas: a paisagem deixada pela passagem do Haiyan, acompanhado por ventos de até 315 km/h, lembrava a destruição provocada pelo tsunami de 2004 na Ásia. 



Caixões vazios foram parar no meio da rua após a passagem do tufão Haiyan em Tacloban, Filipinas   

   "Ocorreram grandes destruições (...) A última vez que vi algo parecido foi durante o tsunami no oceano Índico" que deixou 220 mil mortos em 2004, afirmou Sebastian Rhodes Stampa, chefe da equipe da ONU encarregada da gestão de desastres que se encontrava em Tacloban.
No Vietnã, onde o tufão deverá chegar nesta segunda-feira (11), mais de 600 mil pessoas tiveram de deixar suas casas, embora o Haiyan tenha perdido força em sua passagem pelo mar da China Meridional.


jesus, jesus